O eixo artístico e o imaginário de Henrique Campeã

Ilustrador imaginativo, designer solucionador de problemas.

O desenho entrou na vida do designer gráfico Henrique Campeã como uma forma de deixá-lo no eixo, como uma saída criativa para quem desde muito cedo foi seduzido pelas coisas do imaginário.

Como ele próprio as chama, suas "manifestações artísticas, vegetais e animais" estampam edições de importantes revistas nacionais e internacionais. Despretensiosamente, ele foi expondo seu talento nas redes e, claro, os convites não demoraram a chegar.

Postando self pois sem desenhos

Uma publicação compartilhada por Henri Campeã (@hcampea) em

O artista toma emprestadas as palavras de Pablo Picasso para falar também de seu processo:

Arte é 10% de inspiração e 90% transpiração.

Através de seus trabalhos, Henrique aproveita para tocar em temas mais do que relevantes como diversidade e gênero –
lindamente tratado no projeto 10construir. A Henricampelândia, nome de sua página no Facebook, é definitivamente imperdível.

Aproveite essa viagem rumo ao deslumbramento.

Como a arte entrou em sua vida?

Sou paulistano, pisciano e ilustrador. Desde pequeno sempre fui meio fora do eixo e a arte era um refúgio para mim. Nos meus desenhos eu criava meu mundo imaginário e ficava ali viajando. Minha mãe sempre me encorajou a desenhar e hoje vejo o quanto isso me ajudou.

O quanto a sua formação em design gráfico influenciou o ilustrador que você é hoje?

Eu era muito mais inclinado para Artes Visuais do que para Design Gráfico. Acabei caindo no Design porque eu percebi que era melhor o mercado de trabalho e acabei gostando também. Com o tempo, fui percebendo que o que eu quero mesmo é focar em ilustração.

Ilustração de Henrique Campeã

Como é o seu processo criativo?

Depende muito do momento. Quando estou fazendo um projeto pessoal, tudo flui melhor durante a noite, quando estou sozinho e ouvindo música instrumental.
Mas quando é um projeto de cliente ou no trabalho eu gosto de primeiro entender a temática, depois eu rascunho e alinho até chegar na ilustra final.

O que acontece em um dia comum seu?

Acordo lesado e tento meditar todos os dias. Trabalho em um estúdio de ilustração e design. Sou uma pessoa noturna, gosto de usar a noite pra desenhar. Ouço alguns podcasts e tento lembrar de coisas o dia todo por causa da minha memória péssima.

Que técnicas você mais gosta de usar?

Eu uso muito o Photoshop e alguns brushes que encontrei e amo. Gosto de desenhar doodles. Gosto de desenhar em folhas pra rascunho, cadernos caros me intimidam. Gosto de canetas de nanquim, uso uma lapiseira com grafite vermelho pra fazer a base dos desenhos. Antigamente, eu escaneava e finalizava o trabalho no Photoshop. Agora eu tiro foto com o celular mesmo.

O que te dá mais prazer em criar?

Eu gosto muito de inventar personagens aleatórios e sem pretensão, além de fazer umas ilustrações botânicas. Curto muito um trabalho que fiz que tive que pintar um barril para uma festa. Foi bem desafiador e divertido.

Barril. Jun/16

Uma publicação compartilhada por Henri Campeã (@hcampea) em

Quais as suas maiores referências?

Talita Hoffmann e a Carla Barth são grandes inspirações pra mim.

Como foi participar do projeto 10CONSTRUIR?

O 10CONSTRUIR foi meu projeto de conclusão da faculdade. Queria criar um ferramental para mães, pais e educadores dialogarem sobre gênero de forma natural com as crianças.

Projeto 10CONSTRUIR - Henrique Campea

A arte reflete o que pensamos e vivemos, por isso tem o poder de criar pontes de reflexão sobre questões sociais.

Suas ilustrações estampam matérias de revistas como a The Networker e a Revista Saúde. Como você chegou ao Design editorial?

Eu comecei expondo algumas ilustras na internet, sem qualquer pretensão. Com o tempo, algumas pessoas foram entrando em contato, me convidando pra fazer freelas. Isso é uma das coisas que mais curto fazer porque sei que quem me chama pra ilustrar uma matéria é porque já viu meu trabalho, então quer o meu estilo ali.

The networker - Editorial Illustration Henrique Campea

Quando cria, você pensa na mensagem que quer transmitir ou simplesmente deixa fluir?

Depende muito do momento e do projeto. Quando faço alguns desenhos autorais eu procuro não pensar em nada, vou fazendo até que chego em alguma coisa. Quando estou em um projeto para cliente, penso na mensagem que quero transmitir e procuro chegar na melhor forma de fazê-lo.

Algum projeto em perspectiva?

Sou ilustrador em um estúdio de ilustração e design, além de trabalhar como ilustrador freelancer também. Queria explorar mais 3d e modelagem.

Pra você ser designer é...

Solucionar problemas

Duas dicas para quem quer começar

Saber que o medo existe.
Não deixá-lo no volante.

Duas cores para combinar

Verde e rosa.

Couve
@henriquecampea
Eva
@henriquecampea

Duas músicas para inspirar

Dois lugares para viajar

Paraty e Inhotim.

Dois sites para passear

Nexo Jornal
Letter Hunter

Duas referências para registrar

Projeto Letras Que Flutuam
Podcast A Piece of Work

Duas coisas para não passar sem

Protetor solar e fone de ouvido

Dois livros para devorar

Homens sem mulheres - Haruki Murakami
Rita Lee - Uma Autobiografia

Dois filmes para emocionar

Toy Story 3
The Handmaiden

Dois Studios da Colab55 para elogiar

@camixvx
@caligrafica

Duas artes da Colab55 para admirar
Good morning - Japan serie #2
@lilo
Henri Flowers
@caligrafica

Duas palavras para nortear

Arte e expressão.


Conheça o Studio

Studio na Colab55