Pixel Show 2018: tudo sobre o evento mais criativo da América Latina

Pra quem mora embaixo de uma pedra e ainda não tá sabendo, o Pixel Show 2018 - maior e mais imperdível festival de criatividade da América Latina - vai rolar nos dias 10 e 11 de novembro, no Pro Magno, em São Paulo.

Organizado pelo pessoal da Zupi, o evento acontece desde 2005 e chega este ano à décima quarta edição com mais gás do que nunca. O objetivo do Pixel Show é reunir as novas tendências criativas do mundo audiovisual, além de ser um dos principais pontos de encontro e de networking de artistas, designers e ilustradores do Brasil.

Pra se ter uma ideia, esse ano serão mais de 200 palestrantes em 2 dias de evento, com conteúdo multidisciplinar focado na construção de legados para o mundo criativo, seja pessoal ou comercial. Serão salas com conteúdos de business e empreendedorismo, projetos visionários, publicidade e música, tech e inovação, voice, arte e design, video e animação, workshops, além do auditório principal. É uma oportunidade de ouro para conhecer outros profissionais e entusiatas talentosos, se inspirar com o que há de mais novo e inovador no mundo criativo e sair renovad@ e motivad@!

Quer mais? Batemos um papo mara com o paulistano Allan Szacher, curador e idealizador do Festival, que nos contou um pouco sobre seu trabalho de curadoria criativa e sobre a evolução das profissões relacionadas aqui no Brasil.

Allan no Pixel Show - Pixel Show 2018

Allan, qual é o background de um curador da Pixel Show?

Sou formado em Propaganda & Marketing pela FAAP, Artes Gráficas pela Billy Blue School & Swinburne University na Austrália e pós-graduado em Curadoria na Belas Artes. Trabalho como editor e curador de mostras nacionais e internacionais e sou art manager há 25 anos. Também sou palestrante em eventos, empresas, faculdades no Brasil e no mundo.

A Zupi existe desde 2001 e a PixelShow desde 2005. Como foi essa trajetória?

A ideia desde o inicio foi criar um projeto onde criativos poderiam se inspirar, registrar a memória da produção criativa e ao mesmo tempo promover talentos, gerando trabalhos e networking para novas histórias. Foi um longo caminho até chegar onde estamos hoje, com milhares de pessoas visitando nossos eventos e lendo nossa revista. Cada vez mais os resultados aparecem. Nosso foco é a construção de um legado e ajudar diversos artistas e novas empresas a crescer através do nosso crossmedia.

Para você, qual o papel e importância dos criativos em negócios, tecnologia e cultura?

Hoje em dia, é impossível deixar de fora o criativo das decisões, do planejamento e das estratégias de qualquer empresa. O mundo tem mudado muito rápido e as decisões de processos precisam de um foco disruptivo muito amplo. É importantíssimo juntar cultura e tecnologia pra ver resultados reais. A Economia Criativa é isso tudo junto e misturado.

Muito mais que um evento de "design pelo design", o PixelShow sempre trouxe um tom pragmático, focado em crescimento, fortalecimento e profissionalização. Como você enxerga a evolução do país e dos criativos brasileiros nos últimos anos?

Sem dúvida tivemos crescimento, mesmo com o recuo forte devido a crise do país. Mas tanto o Festival quanto a revista Zupi focam na importância de repensar modelos de negócio, economia de custos, recursos, divulgação... Vemos a cada dia novos projetos, muita inovação, mas também com bastante tristeza vemos muitos profissionais criativos deixando o país. O cenário precisa melhorar muito ainda.

Pixel Show 2016.

O PixelShow é cada vez mais multidisciplinar. Você acredita que o mundo digital está contribuindo para o desaparecimento da divisão entre arte e outras disciplinas?

A ideia da diversidade é crucial, faz com que os profissionais fiquem mais completos e mais valorizados. Ao mesmo tempo, ainda há uma divisão nítida entre as disciplinas e seus profissionais. Acredito que o evento traz e amplia a diversidade criativa, ajudando os profissionais a abrir a cabeça, ver tudo que está acontecendo no mercado e contribui na colaboração entre esses profissionais. O importante é mostrar aos criativos que o futuro é multidisciplinar!

O público do PixelShow é 50% feminino. No entanto, há fortes evidências de desigualdade profissional na área criativa. O que pode ser feito para mudar esse quadro?

Essa é uma pergunta super importante e recorrente. Esse ano conhecemos um projeto semelhante à Zupi, chamado MORE GRLS, que foca em dar visibilidade às mulheres criativas no Brasil.

Nossos curadores estão sempre buscando por qualidade de trabalho, inovação, criatividade - focando em talento. Se o criativ@ for homem ou mulher, para nós é indiferente. O primordial no Pixel Show e na Zupi é a busca da originalidade. Queremos incentivar nosso público, que é super homogêneo, a criar trabalhos com qualidade e muita inovação.

O evento desse ano fala sobre o uso da diversidade em prol de um planeta mais disruptivo e como as áreas criativas podem deixar um legado para as gerações futuras. Pode contar um pouco mais sobre essa visão?

Temos certeza que é nossa obrigação incentivar e deixar uma herança para as futuras gerações, nossos filhos e nossos netos. Para que eles vivam melhor, com mais cultura, mais educação e mais coexistência.

Qual a lição mais importante que você quer que os participantes do PixelShow tirem do evento desse ano?

Participar de um festival como o Pixel Show é ter experiencias únicas, um networking incrível! Sabemos que todos que participarem do evento sairão com a cabeça carregada de novas ideias, objetivos, visões e totalmente inspirados e renovados para continuarem seus projetos atuais e futuros de uma forma melhor e mais eficiente. Além de poderem ver nascer novos negócios com o networking super segmentado que acontece no Festival.

Dicas pra criativ@s que estão começando?

Procurar todos os dias se reciclar, fazer programas diferentes, visitar o Pixel Show e outros festivais relacionados, estudar, se divertir, viajar, visitar museus, galerias, shows, teatro etc... Ser pró-ativo e buscar ser sempre melhor amanhã do que foi ontem/hoje!


O Pixel Show 2018 acontece dias 10 e 11 de novembro no PRO MAGNO – Rua Samaritá, 230 – Casa Verde – São Paulo, SP, das 8h às 21h.


Sobre a Zupi

Criada em 2001, entre as iniciativas mantidas pela empresa estão o portal www.zupi.com.br, a Zupi Academy, a Zupi.TV e a revista trimestral de criatividade Zupi. Além de proprietário é o produtor do Festival de Criatividade Pixel Show, evento anual que traz ao público latino americano as novas tendências visuais globais e gera o debate de boas ideias, através de referências, cases e muita criatividade. Realizado desde 2005, o Pixel Show é (desde 2013) o maior festival do gênero na América Latina e o terceiro maior do mundo.


Para saber mais, acesse www.zupi.com.br.